H I S T Ó R I A

Como tudo começou

A histórias dos concursos masculinos do Mister Brasil, Mister Santa Catarina e Joinville iniciaram em 1988, quando o Sr. Luiz Bozzano, idealizador de toda a construção dos concursos no estado de Santa Catarina deu o ponta pé inicial que desde então vem trilhando com grande sucesso e expandindo ainda mais os números de candidatos e com isso também promovendo o lançamento de grandes nomes masculinos no mercado da moda e enaltecendo a personalidade e profissionalismo dos modelos masculinos que até então não eram vistos com bos olhos.

 

Umas das grandes apostas do concurso e ajuda são o que o concurso promove aos jovens, uma vasta bagagem de preparação desde intelectual, profissional e visão de mercado entre os mesmos, com isso ajudando esses jovens ao crescimento profissional, seja na carreira como modelo ou como empreendedor e até mesmo de realização pessoal e intelectual.

A história do concurso e treinamento profissional e agênciamento em Joinville começou em 2008, quando André Florcêncio, Scouter atuava como fotógrafo e na preparação de modelos para as agências em São Paulo, preparando e capacitando esses jovens a carreira como modelo.

No final de 2012 André Florêncio foi convidado por Luiz Bozzano para coordenar o concurso na região norte Catarinense e com isso promoveu seu primeiro candidato ao concurso. Mas André Florêncio ainda não estava satisfeito, onde viu a necessidade de também agregar mais suporte e capacitação aos modelos participantes do concurso, surgindo então a ideia em 2015 nos moldes dos modelos nacionais, internacionais e estadual de também promover o concurso masculino, assim como já ocorria com o feminino a anos atrás, com isso conseguiria recursos profissionais e suporte com instalações, apoio financeiro e mais candidatos que sonham com a carreira de modelo, porém deveriam passar pelos testes e avaliação tecnica assim como as demais etapas vivênciando o que viria pela frente caso fossem aprovados, desde então o concurso só vem crescendo e os candidatos que ganhassem o título teriam as despesas pagas pelos recursos agregados na realização do concurso e sua capacitação fosse mais agregadas e absorvidas ao mercado.